FOCO: Gestão de liquidez

Neste período, mesmo seguindo nossas instruções, é bom e correto ter caixa em sua carteira e, portanto, qual fundo escolher? O que queremos fazer você pensar agora é que dinheiro ou fundos do mercado monetário não são todos iguais.
http://laltrafinanza.blogspot.it/2016/02/focus-la-gestione-della-liquidita.html

Já descrevemos nos posts anteriores as possíveis implicações do Bail In e as formas de proteger sua poupança de possíveis falências bancárias. A escolha dos fundos de investimento continua sendo a mais eficiente graças à alta diversificação e separação do fundo dos ativos do Sgr.


Obviamente neste período, mesmo seguindo nossas instruções, é bom e correto ter caixa em sua carteira e, portanto, qual fundo escolher?
O que queremos fazer você pensar agora é que dinheiro ou fundos do mercado monetário não são todos iguais.

Vivemos em um mundo de taxa zero, então qualquer coisa que rende pouco mais que zero pode esconder riscos que não são os de um instrumento de liquidez. Vamos analisar o histórico dessa classe de ativos que em fases críticas dos mercados atinge níveis exorbitantes de capitalização.


Entre as várias consequências da falência do Lehman Brothers, destaca-se também a suspensão e consequente liquidação de um fundo monetário. Os papéis comerciais eram uma importante fonte de financiamento para o Lehman Brothers.

Graças à sua alta classificação e rendimento mais alto do que os títulos do governo dos EUA, eles eram particularmente populares entre os fundos do mercado monetário. Os investidores desses fundos também se sentiram protegidos do risco de perdas de capital devido às restrições regulatórias impostas aos gestores e ao fato de estes terem conseguido evitar tais perdas no passado.


Após a falência do Lehman Brothers, o fundo do mercado monetário Reserve Primary, o mais antigo fundo do mercado monetário dos EUA, com US$ 64,8 bilhões sob gestão, viu seu valor líquido cair abaixo de US$ 1,00 por ação.

O fundo teve uma perda total de 785 milhões de dólares em posições vinculadas ao Lehman e, portanto, teve que ser liquidado, procedendo-se à redistribuição entre os investidores à medida que os recursos chegassem ao vencimento ou da venda dos ativos em carteira, obviamente bloqueando totalmente o possibilidade de resgate pelos assinantes.


Isso resultou em uma onda de solicitações de resgate para outros fundos do mercado monetário dos EUA, forçando o Tesouro dos EUA a estabelecer um programa temporário de garantia ao investidor de fundos do mercado monetário.

No mesmo período, também na Europa, tivemos casos de fundos monetários “vacilantes”. O Parvest Dynamic do Bnp Paribas foi classificado como um fundo de liquidez na área do euro, mas dentro dele tinha as famosas securitizações de hipotecas americanas de alto risco.

Ou o Capital Im Cash Plus, que se definiu abertamente como um instrumento de “dinheiro” e, em vez disso, investiu principalmente em swaps de inadimplência de crédito. Dada a experiência de 2008, como você pode fazer as escolhas certas hoje?


O principal problema é a transparência das instituições e do conhecimento dos consultores ou balconistas sobre os instrumentos que são colocados. As ferramentas e os fundos certos existem, são válidos e cumprem o seu dever corretamente, mas é preciso conhecê-los bem e saber exatamente como os gestores trabalham.


Hoje em dia também a gestão de liquidez tem as suas dificuldades e armadilhas e por isso torna-se cada vez mais importante recorrer a profissionais do setor que, sem conflitos de interesse, também analisem o conteúdo destas ferramentas.

Crise nos EUA (Corriere della Sera 17-09-2008)

Poupança traída (Il Sole 24 Ore 08-08-2007)